O nascimento do Frederico. E um obrigada ao(s) meu(s) Obstetra(s).

Numa vida que se espera longa, marcada por tantos dias e calendários e afazeres, é incrível como um dia consegue mudar-te para sempre. Apenas um dia dos tantos que já viveste e que ainda vais ter pela frente.

Há uma semana precisamente, nasceu o meu filho. De 37 semanas, um bocadinho adiantado e sem me deixar despedir dos mimos à barriga. Era, aparentemente, só mais um dia da contagem decrescente que ainda julgava longa. A madrugada trouxe uma suspeita de descolamento da placenta, e às 06:40 dei entrada na urgência da Cuf Descobertas. Tinha uma equipa à espera, uma vez que ao sair de casa informei o meu Obstetra da situação, via mensagem. O bloco de partos estaria a ser preparado caso se confirmasse a urgência. E confirmou. O Frederico nasceu às 07:25H da manhã, numa hora realmente pequena mas digna de série televisiva. Não consigo encontrar palavras que descrevam a atenção, cuidado e rapidez com que fui tratada pela equipa de serviço. Das enfermeiras à anestesista, com especial atenção para a Dra. Zulmira Cristóvão, Obstetra de serviço que me fez a cesariana, e que foi profissional e humana e me manteve sempre tão calma e segura.

Só posso agradecer ao meu Obstetra que às 06:00 da manhã colocou uma equipa a postos à minha espera apenas durante o caminho Mafra/Lisboa. É incansável, bom profissional, extremamente preocupado e cauteloso. Nestas coisas da vida humana o conceito de excesso de zelo não existe. Prefiro assim. Obrigada Dr. Rui Viana. E obrigada aos nossos amigos Nuno e Mariana que o recomendaram.

E, por falar em amigos, há um muito especial neste caminho. Chama-se Rodrigo Pereira da Mata, é Ginecologista/Obstetra, mas infelizmente vive em Portimão. Foi o meu apoio e linha saúde 24 desde o primeiro momento. Alias, foi o primeiro a ver o saquinho porque fizemos questão que a primeira ecografia fosse feita por ele. Teve uma paciência de Santo e provavelmente, devido à ajuda dele,  passei quase nove meses de gravidez sem ir a um serviço de urgência. Obrigada.

O momento do nascimento de um filho é, usualmente, idealizado como nos filmes. Sai do nosso corpo para o nosso peito, com o pai ao lado e três seres humanos em lágrimas. O meu foi diferente. Não diferente do que esperei porque não tive tempo de criar expectativas, mas diferente do que se imagina. Vi o meu bebe ainda entorpecida por uma anestesia, só desfrutei dele no recobro quando chegou ao colo de um pai emocionado, impedido de assistir ao nascimento do filho. Mas, vê-lo todos os dias saudável e a crescer é a maior alegria e benção da nossa vida. Quando me diziam “Depois olhamos para eles e passa tudo”, eu torcia o nariz. Mas é mesmo verdade. E ainda bem que é assim. Pois só com amor tudo se consegue.


Sem tags 1 Comentário 7
1 Comentário
  • Anónimo
    Fevereiro 3, 2018

    Oh meu doce😲O que importa a que estão bem…E sim,uma cesariana não tem o mm sabor mas o importante é tudo ter terminado bem e teres essas pessoas fantásticas para te auxiliarem num momento conturbado..Tudo a correr bem minha querida..E que o Frederico seja um doce de pessoa tal como Tu😘😘😘😘

O seu comentário