celulite sem vergonha.

Aqui há dias abri o Instagram e naquelas histórias rápidas que duram 24H, vi uma fotografia da Filipa Onofre Maia com um fato de banho maravilhoso. Percebi que era uma fotografia publicitária, mas na legenda ela escrevia «Sim, tenho celulite!». O fato de banho era um espanto e tive que voltar atrás para reparar que, efectivamente, ela tinha duas ondas numa perna. Não sei se, realmente, aquilo se pode considerar celulite (a sério), mas a verdade é que era uma foto crua, sem efeitos, sem “merdas”. Era uma foto dela na praia, que eu também poderia ter tirado e que, certamente, teria muito mais celulite a decorar. Achei aquela atitude digna de uma salva de palmas. Primeiro, porque quando fazem este tipo de publicidades, tentam sempre lavar-nos os olhos com sabão azul e branco, limpando todas as nódoas, até ao último buraco existente. Depois, porque é este tipo de coisas que eu espero (e devíamos esperar todos) de quem tem alguma visibilidade ou seguidores. Passar a mensagem correcta.

 

Ela estava a publicitar um fato de banho e não um creme milagroso que nos vai tornar Barbies em 3 utilizações. Ela estava na praia. Estava descontraída. Não a exagerar poses, a empurrar as costelas contra o estômago ou a ensaiar a melhor perspectiva para arredondar os glúteos. Sublinhe-se que a Filipa, apesar de fazer parte de um mundo onde se cultiva a beleza (em exagero), não precisa de nada destas máscaras e artifícios. E foi isso que ela fez. Ela é linda de morrer com ou sem barriga, com ou sem celulite, com ou sem acne. Porque é uma mulher interessante. Com todas as imperfeições a que tem direito. Ela e todas nós.

 

Dou por mim, tantas vezes, a querer alcançar uma perfeição ridícula. Imposta por esta sociedade doentia que nos compara, nos estigmatiza, nos torna pessoas piores. Dou por mim não a usufruir do mero acto de colocar uma fotografia por prazer, porque hoje isso é alvo de escrutínio. De um apontar de dedos injusto.

 

Obrigada, Filipa. E que mais Filipas se mostrem. Com coragem. Com determinação. Sem medo e sem filtro. Vamos colocar um ponto final nisto. Nesta estupidez propagada a ponto e vírgula. O mundo não nos quer perfeitas. Quer-nos felizes. Redondas de riso e de alegria. Sem máscaras.

 

#celulitesemvergonha

#mulheresreais


Ainda não tem comentários.

O seu comentário